A Neutralidade Ideológica


Em tempos de “Escola Sem Partido” e de palavras de ordem contra a corrupção, o medo da tal “doutrinação ideológica” é muito grande. Doutrinação, palavra que indica uma formação de doutrina, de conhecimentos que servem de princípios para algum sistema religioso, filosófico ou jurídico. Então uma “doutrinação ideológica” serviria para transformar ideologia em doutrina, em princípios para algum sistema de pensamento. Mas, toda ideologia é exatamente isso. E todo sistema é ideológico. Logo, “doutrinação ideológica” é tão redundante quanto “subir pra cima” ou “água molhada”.

Tentar evitar ideologias é impossível. Nossa sociedade se organiza através de ideologias. Essa, na verdade, é uma discussão filosófica antiquíssima, porém, necessária, que pode ser resumida da seguinte forma: nós, seres humanos, somos seres biopsicossociais, ou seja, somos formados por porções biológicas e materiais, psicológicas e individuais, e sociais e ideológicas. Somos seres híbridos de tudo isso. E por isso, o que nos forma e o que formamos são também materiais e ideológicas. A partir do momento que pensamos, concebemos ou falamos a respeito de algo, esse algo já está sendo pensado, concebido e falado através de alguma ideologia. Não temos como fugir disso.

Continue Reading >>

Grupos de Estudos Virtuais


Grupos de Estudo Virtuais

Além do Grupo de Estudo presencial de Psicologia Analítica e Educação, vou iniciar novas turmas dos Grupos de Estudo Virtuais. Já havia feito um Grupo Virtual cujos vídeos estão disponíveis no Youtube. E, devido à demanda que tenho recebido, estou organizando novos grupos de estudo virtuais, que permitem que pessoas de fora de Curitiba possam estudar comigo, online!

Estudar online possui algumas vantagens a estudar presencialmente, que são:

  • Para participar dos encontros, você poderá assistir de qualquer lugar que tiver um computador ou smartphone (tendo instalado os aplicativos do Google Plus, Google Hangouts e YouTube) e acesso a internet (de preferência wi-fi, pois nossos grupos terão duração de até duas horas e isso pode consumir bastante o 3G).
  • Os nossos encontros serão gravados e estarão disponíveis em um grupo fechado do Google Plus onde vocês poderão re-assistir quantas vezes quiserem. Esse material não será disponibilizado de nenhuma outra forma publicamente, então apenas quem participar do grupo terá acesso.
  • Poderemos utilizar a comunidade do Google Plus para darmos continuidade aos estudos fora das videoconferências, através das postagens, de perguntas, conversas e discussões que poderemos fazer durante a semana. Ou seja, não estudaremos apenas uma vez a cada duas semanas, mas poderemos manter contato constantemente na comunidade virtual.
  • Quem não puder se conectar em um dos dias, não perderá o encontro! Caso você saiba de antemão que terá outro compromisso nesse horário, poderá enviar suas perguntas e dúvidas à comunidade que elas serão respondidas e debatidas no vídeo que você assistirá depois, em casa, no momento que lhe for mais confortável. Caso aconteça algum imprevisto e no momento você não consiga se conectar, você ainda assim terá acesso à gravação das discussões e poderá assistir em casa.
  • O valor do grupo virtual será o mesmo do presencial, com a vantagem que você não precisará se preocupar com deslocamento, pois poderá assistir do conforto de sua casa ou de algum lugar com internet que seja confortável para você.
  • Como o grupo será virtual, teremos a possibilidade de agregar mais pessoas a nosso estudo, o que tornará tudo muito mais rico! Porém, devido a uma limitação da ferramenta utilizada (o Google Hangouts), teremos um limite de participação na videoconferência para as nove primeiras pessoas que aparecerem no dia. Mas, as demais pessoas poderão ainda assistir ao vivo, através do Youtube, e poderão ainda enviar perguntas através do chat que abriremos para os membros da comunidade ou ainda como comentários no vídeo do Youtube – que só será acessado por quem tiver o link. Dessa forma, ninguém ficará de fora!
  • E como os vídeos estarão todos gravados, será possível aceitar novos membros depois do início do grupo, pois esses membros poderão assistir os encontros passados, ler os dabates anteriores e ficar à par dos estudos e contribuir nos encontros futuros. Assim, nossos encontros serão sempre abertos a quem quiser participar!

E os temas que organizarem grupos de estudo virtuais, neste momento, são:

  1. Introdução ao Pensamento Junguiano: se você nunca estudou Jung ou Psicologia Analítica, este é o grupo para você. Nele, vamos estudar um livro de Jung, o Psicologia do Inconsciente, onde Jung apresenta alguns de seus principais conceitos, enquanto tenta discutir sobre o que seria isso que chamamos de “Inconsciente” e como seria possível estudá-lo cientificamente. Mas, mais interessante do que conhecer os conceitos, é aprender a forma como Jung pensa sua obra e seus estudos. Nesse grupo, iremos, ao acompanhar a leitura do livro, ver como o pensamento junguiano se constrói, facilitando, com isso, futuras leituras desse autor.
  2. Fundamentos de Psicologia: O que é a psicologia? O que ela estuda? Essas são perguntas que não possuem resposta clara – e se formos sinceros, os objetos de todas as ciências são bem confusos de forma geral. Mas a psicologia possui um diferencial gigante com as demais ciências: todos vivemos diretamente o seu objeto, independente de qual seja ele ou de como poderemos defini-lo. Neste grupo, iremos estudar o livro A Psicologia e o Problema Mente-Corpo de César Rey Xavier, onde exploraremos um pouco a história e a filosofia por trás do problema do objeto psicológico. Cada um de seus cinco ensaios trata de uma diferente ideia de um diferente pensador. Inicia com as ideias de René Descartes e de como ele, ao contrário do que conta a historia popular, não separa mente de corpo e como isso é muito importante para compreendermos o nosso estudo. Depois estudaremos a proposta do filósofo da mente Gilbert Ryle que, em seu livro O Conceito de Mente, inaugura o estudo da Filosofia da Mente, enquanto apresenta uma proposta comportamental para compreendermos o problema mente-corpo. Chegamos então a estudar a proposta da psicanálise de Freud e como ele se posiciona – ou não – diante do problema mente-corpo. E passamos pela proposta de Jung e como ele tenta resolver, em sua obra, esse problema. Finalmente, chegamos ao capítulo final do livro, com a proposta do “objeto híbrido” para a psicologia, compreendendo que todos esses autores passaram por esse tema em algum momento.
  3. Psicologia Analítica e Educação: A psicologia analítica é muito aplicada na clínica, mas ela é pouco explorada para discutir outras áreas. Eu trabalho com educação, além da clínica e vejo que Jung consegue dar uma luz excelente para compreender essa área de conhecimento. Ele possui um livro chamado Desenvolvimento da personalidade que agrega vários textos sobre educação e desenvolvimento infantil que ajuda a compreender como a psicologia analítica pode ajudar a amplificar – para usar um termo junguiano – a educação. Além disso, alguns conceitos clássicos como Individuação, Transferência e Tipos Psicológicos serão revisados e aplicados no contexto educacional, permitindo para professores, educadores e eternos estudantes rever o que é feito com novos olhos, encontrando novas soluções para velhos e conhecidos problemas educacionais.

Esses três grupos de estudo já estão organizados e terão início em breve! Tenho ainda outros projetos para outros grupos de estudo que envolvem “Mitologia Amplificada”, como a mitologia pode ser utilizada para compreender a vida, e “Revendo a Psicopatologia”, onde iremos revisar conceitos tradicionais e experiências pessoais para compreendermos melhor a relação entre sofrimento e a vida que vivemos. Caso exista interesse para esses outros temas, entrem em contato para que eu agilize os grupos para os interessados.

Como participar de um Grupo de Estudos Virtual

Para participar, existe um requisito técnico mínimo que é conseguir acessar com tranquilidade o Youtube, o Google Hangouts e o Google Plus. Isso pode ser feito através de um navegador ou através de aplicativos no celular ou tablet. Isso, além de uma conexão banda-larga com a internet, pois os vídeos consomem uma banda relativamente grande (por isso não recomendo o 3G, a não ser que você tenha uma franquia bem grande). Resolvendo essas questões técnicas, você poderá participar sem problemas.

Diria até que para participar, você precisaria poder estar no computador nos dias marcados para os encontros virtuais, mas isso não é necessário. Caso você queira participar do tema mas não poder – seja porque nesse horário você está na aula ou só tem acesso a internet no trabalho e não em casa ou qualquer outro motivo – mas ainda assim quer participar, você ainda poderá ver os vídeos, ler os textos, participar das discussões e deixar perguntas para a discussão nos encontros. Seria muito bom a participação na videoconferência, mas ela não é essencial para o grupo.

Então, para participar – tendo resolvida a questão técnica – basta escolher em qual ou quais grupo(s) quer estudar, pagar o primeiro mês como “matrícula”, ingressar na comunidade do Google Plus (o convite será enviado após o recebimento do comprovante de pagamento) e começar a participar! O conteúdo discutido será exclusivo do grupo e não será visto por mais ninguém. Após o término do estudo, após alguns meses tornarei público apenas os vídeos gravados, mas nunca o conteúdo discutido na comunidade ou o material compartilhado por lá.

Então escolha um grupo abaixo (ou mais de um, se quiser), preencha o questionário de inscrição, pague a taxa de matrícula, envie um e-mail com a confirmação de depósito/transferência e vamos iniciar nossos estudos!

Cronogramas:

  1. Introdução ao Pensamento Junguiano 2016 – Quinzenalmente às quartas-feiras das 20h às 22h. Início no dia 21/09/2016. Término previsto em 21/12/2016. Total de 16 horas ou 4 meses.
  2. Fundamentos de Psicologia – Quinzenalmente aos sábados das 13h30 às 15h30. Início no dia 3/9/2016, com pausa a partir de 17/12/2016 e retorno a combinar com o grupo.
  3. Psicologia Analítica e Educação – Quinzenalmente às segundas-feiras das 20h às 22h. Início no dia 5/9/2016, com pausa a partir de 19/12/2016 e retorno a combinar com o grupo.

Informações de Pagamento:

Para incentivar a participação nos grupos, farei um valor promocional para quem participar em mais de um grupo ao mesmo tempo, oferecendo 10% de desconto no pagamento mensal de dois grupos e 20% para o pagamento mensal de três grupos. Dessa forma, quem participar de um grupo pagará R$100,00, dois grupos, R$180,00 e três, R$240,00! Lembrando que se você já foi meu aluno, as condições poderão ficar ainda melhores…

  1. Banco do Brasil
    Pablo de Assis
    Ag. 1522-9
    CC. 18570-1
  2. Santander
    Pablo de Assis
    Ag. 3837
    CC. 01083339-2

Questionário de Inscrição: https://goo.gl/forms/YGoHmogFFXLxbgN53

 

Outra Oportunidade

Caso você queria participar de um grupo mas não pode participar nos dias marcados para os grupos ofertados, você pode montar um grupo com amigos e colegas e sugerir uma outra data/horário para o seu grupo. Basta entrar em contato por e-mail [email protected], na minha página no Facebook ou deixe uma mensagem aqui no post com sua sugestão que eu entro em contato para combinarmos o novo grupo. Para termos um novo grupo, precisamos ter pelo menos 4 pessoas pagantes e, para quem organizar esse grupo, posso oferecer condições especiais.

Grupo de Estudos Presencial – Psicologia Analítica e Educação


Grupo de Estudos Presencial - Psicologia Analítica e Educação

Percebi uma demanda em compreender melhor os processos psicológicos relacionados à educação. A psicologia analítica de Carl Jung tem bastante a oferecer e possui um grande insight sobre o assunto. Este grupo de estudos será aberto sobre o tema, não só para psicólogos, estudantes e educadores, mas todos interessados em compreender a relação entre psicologia e educação. Nele, vamos estudar:

  • O livro “O Desenvolvimento da Personalidade” de Carl Jung, especificamente os capítulos. 3, 4 e 6;
  • Uma revisão conceitual dos Tipos Psicológicos e sua relação com os processos educacionais;
  • Uma revisão conceitual de Projeção e Transferência e como podemos amplificar, com isso, a relação professor-aluno;
  • Uma revisão conceitual da Individuação e sua relação com os processos escolares e educacionais.

Os grupos acontecerão quinzenalmente às segundas feiras. Existem dois horários possíveis, um das 14h30 às 16h30 e outro das 17h às 19. O início do grupo será no dia 5/9, porém, caso você encontre este anúncio depois, você ainda poderá ingressar no grupo. Por se tratar de um um grupo aberto e contínuo, estaremos constantemente aceitando novos membros e estudaremos enquanto houver interesse.

O valor do grupo é de R$100 por mês, com valor promocional para meus ex-alunos (por favor, entrem em contato para mais informações). Para confirmar a participação, por favor, preencha o formulário neste link e envie cópia do comprovante de depósito/transferência para o e-mail [email protected] com o assunto: “Confirmação Grupo de Estudos Presencial – Educação”. Este primeiro pagamento garante sua vaga no grupo, além de cobrir a mensalidade de setembro. Os demais pagamentos poderão ser feitos presencialmente, inclusive nos cartões de débito e crédito.

Os encontros serão na clínica Archés – Psicologia Analítica, em Curitiba, na Rua David Carneiro, 431. Dúvidas, podem entrar em contato ou no e-mail [email protected] ou na minha página no Facebook.

Informações bancárias para depósito:

  • Banco do Brasil
    Agência: 1522-9
    Conta Corrente: 18.570-1
  • Santander
    Agência: 3837
    Conta Corrente: 01083339-2

Formulário de Inscrição: https://goo.gl/forms/vgPKAs8Pm4BPsT4i1

O Senso Comum e a História do Inconsciente


Doodle homenageando Sigmund Freud, mostrando seu rosto como se fosse a superfície de um iceberg.Hoje é o aniversário de Sigmund Freud. Há 160 anos – no dia 6 de maio de 1856 – nascia o homem que seria conhecido como sendo o pai da Psicanálise. Não só sua teoria, mas ele também são conhecidos por muitas ideias e muitos conceitos e, principalmente, muitas descobertas e invenções. A importância de Freud é tanta que até o Google o homenageou no dia de hoje, com o Doodle.

Freud é conhecido não só pela teoria psicanalítica, mas também pela prática psicoterapêutica associada com a psicanálise. Alguns dos conceitos que ele desenvolveu incluem o Narcisimo, o Complexo de Édipo, Recalque, a importância da sexualidade na vida do sujeito, Pulsões de Vida e de Morte, Id, Ego e Superego – conhecida como a segunda tópica – e até pela organização psíquica nas estruturas do Consciente, Pré-consciente e Inconsciente. Mas uma coisa que ele não fez foi sugerir o que chamamos de “Metáfora do Iceberg”, que compara o inconsciente à parte submersa de um iceberg. Quem fez isso foi Gustav Theodor Fechner.

Continue Reading >>

PsicoLog Podcast 09 – Houve um 29 de Abril


PsicoLog Podcast 09 - Houve um 29 de AbrilNo dia 29 de abril de 2015, em Curitiba, um grupo de funcionários públicos se manifestava contrários a uma ação do governo de utilizar o plano de previdência privada dos funcionários. E nesse dia, esses funcionários foram recebidos pela polícia militar em uma situação de combate. Das várias pessoas que estavam presentes e tiveram suas vidas transformadas, Claudio Franco foi um deles. E neste episódio do PsicoLog Podcast tento mostrar o que ocorreu nesse dia fatídico através do relato de Cláudio, que também é psicólogo e agente penitenciário. Ao invés de vermos jogos políticos, decisões arbitrárias, força desmedida, vamos compreender os passos de um homem que saiu do campo e se construiu profissional na capital e como as escolhas não só dele, mas de várias outras pessoas, levaram-nos até o dia 29 de Abril de 2015.

Duração: 83 minutos

Comentado no Episódio

Reportagem do El País – http://brasil.elpais.com/brasil/2015/05/01/politica/1430436956_785463.html

Foto do Cláudio Franco durante a manifestação (clique sobre a imagem para ampliar)

ClaudioFranco

Mandem E-mails

Mande e-mails e recados de voz para [email protected] com dúvidas, contribuições, elogios, críticas, perguntas, sugestões e qualquer outra coisa que você queira enviar. Toda mensagem será muito bem-vinda!

 

Assinem o feed

Se você quiser, você pode baixar este e todos os episódios do PsicoLog Podcast  assinando o nosso novo feed pelo seu agregador de feeds favorito, copiando o endereço http://pablo.deassis.net.br/category/podcasts/psicologpod/feed/. Caso você tenha o iTunes instalado e quer assinar diretamente no iTunes, basta clicar neste link:itpc://pablo.deassis.net.br/category/podcasts/psicologpod/feed/.

Assine o Feed do PsicoLog Podcast

Leia o texto original aqui http://pablo.deassis.net.br/

Uma breve reflexão sobre as cotas


CotasDeixe começar dizendo que eu era contra cotas raciais justamente por acreditar na meritocracia. Achava que a questão da faculdade deveria ser centrada na produção de conhecimento e apenas os melhores – independente da origem – deveriam participar. O mesmo deveria servir para o mercado de trabalho, que só deveria selecionar os melhores para cada cargo ou posição. Estudei em colégio americano minha vida toda e aprendi sobre o sistema de cotas dos EUA e achava estranho as ações afirmativas e não via evidências de que elas funcionavam. Inclusive, vi casos de universidades que usavam de ações afirmativas e deixaram de usar, justamente porque não serviam ao propósito desejado. Na maioria das vezes as ações afirmativas acabavam servindo basicamente como publicidade para grupos minoritários, mas isso não refletia na qualidade do ensino.

Eu era contra as cotas. Estudei na UFPR, passei no vestibular por mérito, junto com outros colegas meus. Alguns passaram melhor, outros, pior. Eu cheguei até a passar acima da média, sendo aprovado em 28º de 80 vagas. Mas uma vez dentro da universidade, eu realmente não conseguia perceber a diferença entre o 1º e o 80º colocado no vestibular. Durante minha graduação eu estudei com pouquíssimos colegas negros – e isso que na minha sala não tinha nenhum, somente alguns poucos pardos. Mas ainda assim eu achava que ali estavam os melhores dos melhores. Até ver o resultado disso.

Continue Reading >>

O que Aprendemos com a Mentira


O que aprendemos com a mentira?Desde quado eu assisti ao filme “O Primeiro Mentiroso” (ou “A invenção da Mentira”, The Invention of Lying, 2009) do comediante inglês Ricky Gervais pela primeira vez, tenho pensado bastante sobre a mentira. Não só nas consequências danosas que percebemos quando nos deparamos com uma mentira, mas sim os motivos que levam as pessoas a mentirem. Em outras palavras, por que as pessoas mentem? O mais legal é que a resposta não é a que a gente mais imagina.

Se perguntarmos por aí “Por que as pessoas mentem?” a maioria das respostas que vão nos dar é “porque as pessoas querem enganar” ou “querem ganhar vantagem” ou até mesmo “porque não gostam de você” ou “porque são pessoas más”. Mas isso não são os motivos que levam as pessoas a mentirem. Isso é o que elas ganham ao mentirem. O motivo é outro e é muito mais simples: as pessoas mentem porque foram ensinadas a mentir. Simples assim.

Continue Reading >>

Uma breve reflexão sobre o Narciso Moderno


O Narciso ModernoO mito do Narciso é muitas vezes utilizado para ilustrar o que chamamos – graças à psicanálise – de Narcisismo. Comumente, relacionamos ao narcisismo o mesmo que egoismo ou então preocupar-se muito com a própria imagem. No mito grego, Narciso era um jovem que foi condenado, devido à sua arrogância, a apaixonar-se por sua própria imagem. Só que as pessoas só conhecem o lado de “Narciso era apaixonado por si mesmo” e usam isso para falar a respeito de pessoas que não conseguem ver além dos próprios umbigos, ou daqueles que se prendem muito em suas imagens virtuais nas Redes Sociais.

Só que o mito fala muito mais do que isso e o que o mito complementa sobre Narciso pode muito bem nos ajudar a compreender o Narciso Moderno.

Continue Reading >>

O Direito de Lutar pelo Direito do Outro, ou como falta empatia entre nós


minoriasNunca antes na história mundial, o problema dos direitos das minorias está tão em voga. Alguns dizem que é por conta das políticas sociais do atual governo. Outras, que é por conta da facilidade de comunicação nos tempos atuais, que permite maior visibilidade daqueles que antes estavam escondidos. Eu acredito mais nessa segunda alternativa, principalmente porque estamos tendo acesso aos dilemas de minorias de países que não possuem as mesmas políticas sociais que nós, como o problema dos refugiados na Europa.

O mais interessante é que ─ independente de qual minoria estamos falando ─ o debate sempre se polariza em dois lados: aqueles que são contra a minoria e aqueles que são à favor da minoria. Do lado dos que são contra, basicamente o argumento é sempre o mesmo: dar mais direitos para as minorias coloca em risco os direitos adquiridos da maioria. E do lado dos que são favoráveis, os argumentos sempre variam em torno do eixo humanitário, de ajuda daqueles que precisam ser ajudados. Mas esses dois lados quase sempre esquecem de perceber quais são as necessidades reais dessa minoria.

Continue Reading >>

Determinismo Biológico, Determinismo Social e o Poker


O poker será utilizado como metáfora, para compreendermos a relação entre biologia e sociedadeSemana passada participei de um Anticast sobre Determinismo Biológico X Determinismo Social onde conversei com um biólogo e um médico que defendiam o determinismo biológico e eu e uma arquiteta – junto com o host, um designer – que defendíamos o determinsimo social. Logo no começo da conversa eu disse que, para provocar mais, iria defender argumentos sobre o determinismo social, apesar de já ter defendido um ponto biológico sobre o comportamento humano logo no início. Devo dizer que meus argumentos não foram bem recebidos, talvez por não serem bem compreendidos. Mas também, para esclarecer, não concordo com a visão dicotomizada que apresentei – por mais que reconheça a necessidade de apreender esses argumentos para melhorarmos as nossas críticas.

A disputa entre essas duas visões é, de fato, complexa e controversa. Não existe nenhuma forma de determinarmos com clareza onde termina a influência da biologia e onde começa a da sociedade quando falamos sobre comportamento humano em suas mais variadas formas. Porém, já escrevi aqui a respeito do tema – ao falar sobre sexualidade – defendendo não um lado biológico ou cultural, mas sim uma perspectiva humana e subjetiva. Diante do debate feito no Anticast (que recomendo que ouçam, se possível), gostaria de retomar a discussão, mas desta vez, gostaria de fazê-lo através de uma metáfora, o poker. 

Continue Reading >>