Uma breve história das doenças mentais*


Os transtornos mentais sempre acompanharam a humanidade.Desde que as pessoas se reconhecem enquanto pessoas, existe a percepção de comportamento normal, padrão e comportamento desviante. Em diferentes momentos da história, esses comportamentos desviantes receberam vários nomes e classificações.

Para os antigos, alguns desses comportamentos eram vistos como sinais de deuses, tanto positivos quanto negativos. Alguns casos de esquizofrenia, por exemplo eram vistos como sinais de profetas.

Com a influência do cristianismo na cultura ocidental, esses mesmos comportamentos passaram a ser vistos como sendo negativos e influenciados por demônios. A depressão, por exemplo, dizia-se que era influenciada pelo demônio do meio-dia. Como a Igreja tinha bastante influência na sociedade, essas pessoas eram ou abandonadas por estarem possuídas ou eram levadas a igrejas para serem exorcizadas.

No final da idade média e início do Renascimento, pessoas que apresentavam esses comportamentos eram deixados de lado pela sociedade. Eles eram chamados de loucos e muitas vezes eram trancados com criminosos para afastar suas influências das pessoas ditas normais.

Com o tempo e o avanço da medicina, começou-se a perceber que esses “loucos” não possuíam só comportamento desviante, mas apresentavam sintomas claros que se repetiam em várias pessoas. Agora, ao invés de trancados em cadeias com criminosos comuns, eles eram trancados em asilos e manicômios para serem estudados e tratados. Neste ponto, passou-se a reconhecer a loucura como doença mental.

*Originalmente escrito para a apostila “Um breve manual de transtornos mentais – uma breve introdução à psicopatologia e aos sistemas diagnósticos de classificação“.

Comments (6)

  1. […] Já o Transtorno Delirante é caracterizado pela presença de delírios, ou seja, de crenças irracionais sem fundamento. Acreditar que existem bactérias em tudo o que tocamos e que elas podem provocar doenças não é um delírio, já que isso é um fato. O delírio começa a acontecer quando acreditamos que essas bactérias podem estar atrás de nós e se nós não utilizarmos o tal sabonete para nos prevenir de doenças, vamos morrer. Isso já é delírio e beira a paranóia, que é o delírio de perseguição. Para mais detalhes sobre esses quadros, leiam este post: Uma breve história das doenças mentais. […]

  2. […] A terapia cognitiva de Beck constrói então um modelo inspirado nisso e diz que os problemas psicológicos se constróem sobre  crenças nucleares disfuncionais. Essas crenças acabam construindo sentimentos disfuncionais que, por sua vez, influenciam nossos pensamentos que controlam os comportamentos. Alterando-se as crenças, altera-se os sentimentos e pensamentos e comportamentos que se apresentam como patológicos. […]

  3. […] uma tuberculose ou um osso partido! Um grande psiquiatra do século XIX, Emil Kraepelin, criador do primeiro modelo de classificação psiquiátrica das doenças mentais, chegou a adimitir que, por mais que consigamos observar diferentes transtornos, não conseguimos […]

  4. […] não é porque quero ser politicamente correto, mas sim porque considero essas pessoas não como doentes mentais, mas sim como pessoas normais que foram diagnosticadas, não com uma doença, mas com um transtorno […]

  5. Julio Cesar

    Oi Pablo, estou realizando um tcc sobre saúde mental e estou, citando alguns pontos do seu artigo. Gostaria de saber se você poderia me dizer quando foi feito o trabalho para que eu possa realizar algumas sitações obrigado

  6. adriano

    boa tarde dr psicologo pablo de assis , venho agradecer pelos podcast e pelos artigos relacionados a psicologia.. estou terminando a minha graduaçÂo em gestÂo comercial , pois sendo especifico ao a adm de comercio , existem disciplina na area da psicologia, comportamento organizacional, tecnicas de negociaçôes e gestÂo de marketing, todas voltadas para psicologia,analitica ( freud e jiung). detalhe o seus podcast contribuiram para eu ser aprovado nessas dicilinas , obrigado .
    estou a disposiçÂo , caso o sr precisar de algo relacionado a minha formaçÂo academica.

Deixe um comentário