Carl JungDepois de se formar em medicina, fazer os testes de associação de palavras e Bleuler recomendar o livro de Freud, Jung então releu A Interpretação dos Sonhos (sim, porque ele lera o mesmo livro no ano de seu lançamento, porém não consegui compreendê-lo) e no ano de 1906 começou a corresponder-se com o médico austríaco a respeito de seu trabalho. Ambos trocaram cartas até se encontrarem pessoalmente no ano seguinte, quando começaram uma amizade que duraria por anos. Esse primeiro encontro foi marcante e durou mais de 13 horas seguidas de conversas e trocas de idéias que começaram a moldar o rumo da psicanálise.

Jung então começou a estudar e a praticar a psicanálise freudiana e ajudou a desenvolver alguns de seus principais conceitos, como a contra-transferência, e a definir alguns de seus princípios éticos, como a obrigatoriedade de análise para os analistas. Mesmo trabalhando perto de Freud e sendo considerado seu “príncipe herdeiro”, Jung continuou com suas pesquisas, inclusive sobre áreas que Freud iniciara sua pesquisa mas sem aprofundar-se: os Arquétipos e o Inconsciente Coletivo, teoria que teve sua representação na psicanálise freudiana como o conceito das heranças arcaicas.

A fortificação da psicanálise como ciência teve muito o que agradecer aos trabalhos e pesquisas de Jung. Foram elas que deram uma base empírica fora do campo da clínica aos conceitos de repressão e inconsciente, principalmente através dos estudos de associação de palavras, entre outras colaborações de Jung. Essa influência foi tanta que teve inclusive seu reconhecimento com a nomeação de Jung pelo próprio Freud como o primeiro presidente da Associação Internacional de Psicanálise (IPA) e sua reeleição no ano seguinte.

Psiquiatras e psicanalistas na Universidade de ClarkIronicamente, na mesma época de fundação da IPA houve o rompimento de Freud e Jung, devido a discordâncias teóricas. Em seu livro Símbolos da Transformação (originalmente chamado de Metamorfoses e símbolos da libido) Jung fala sobre sua teoria da Energia Psíquica, a libido Freudiana, e sobre seu caráter neutro não-sexual. Como Freud não podia abrir mão da sexualidade em sua psicanálise, ele então declarou Jung como persona non grata nos círculos psicanalíticos.

Isso fez com que Jung se distanciasse da prática clínica no hospital psiquiátrico e se exilasse em sua casa, iniciando a fase que foi conhecida como “o confronto com o inconsciente”. Durante esse tempo, ele continuava atendendo pacientes particulares e iniciou um processo de regressão/introspecção que fez com que entrasse em contato com elementos psíquicos próprios, que o ajudaram a moldar suas principais teorias, como os complexos ideo-afetivos, o Ego, a Sombra, a Persona, o Self, a Anima e o Animus, entre vários outros.Carl Jung em sua casa

No próximo post, veremos como se deu a construção da psicologia analítica de Jung.

Comments (7)

  1. […] No próximo post veremos como se deu a relação de Jung com a psicanálise de Freud. […]

  2. […] « Previous Entre em contato Interessados no meu trabalho podem entrar em contato no email [email protected]. Você também pode seguir o twitter deste blog para receber as atualizações em @PsicoLog. Fale mais sobre isso… Curioso sobre algo que leu aqui? Interessado em algo sobre psicologia, tecnologia e tudo mais? Quer saber sobre algo que ainda não foi dito? Utilize este espaço para fazer suas perguntas! […]

  3. […] que historicamente, só duas grandes teorias tiveram sucesso e nome: a psicanálise, que parte do pressuposto do inconsciente e que tal inconsciente é imutável e define todo o nosso […]

  4. […] concordo em partes com essa frase. Concordo que a psicanálise está longe de ser psicologia. Psicanálise é psicanálise e é um saber diferente da psicologia. […]

  5. […] então que entra em jogo um grande nome da medicina do final do século XIX, início do século XX, Sigmund Freud, que sugere o uso da Cocaína como um remédio para tratar os dependentes em […]

  6. […] – minha área principal de trabalho – vejo muito isso. Nos preocupamos em ensinar Marx, Freud, Saussure, Nietzsche, Darwin  – quando muito – e no máximo expandimos para o início do […]

  7. […] mito do Narciso é muitas vezes utilizado para ilustrar o que chamamos – graças à psicanálise – de Narcisismo. Comumente, relacionamos ao narcisismo o mesmo que egoismo ou então […]

Deixe um comentário