Uma introdução à psicologia junguiana


Carl JungSão várias as escolas de pensamento na psicologia. São tantas que chega ser muito difícil classificar todas elas ou ao menos listá-las. É claro que algumas têm mais influência do que outras ou possuem mais “adeptos”, mas de uma forma geral, todas possuem o seu mérito.

Na verdade, fica complicado dizer quais são as diferentes psicologias ou quais são as mais importantes ou quais delas apresentam mais resultados, porque pra cada uma dessas questões existem vários pontos a serem analisados. O importante, na verdade, é conseguirmos ver o que cada uma delas tem a contribuir para a área da psicologia como um todo ou, principalmente, o que cada uma dela fala para cada profissional da área.

Um erro bastante comum da população em geral é valorizar uma teoria psicológica por seus resultados práticos. Isso tem muito a ver com os valores sociais envolvidos, mas pouco diz sobre a validade das diferentes teorias. Então a questão aqui não é qual vale mais ou qual é a melhor, mas sim “qual fala mais sobre mim”.

É pensando nisso que posso apresentar o básico do que seria a Psicologia Analítica. Como ela se aproxima de várias teorias e abordagem psicológicas diferentes, não quero dizer quem é melhor ou pior ou qual tem mais validade: somente quero mostrar um novo ponto de vista.

JungTudo surgiu com um médico suíço chamado Carl Gustav Jung. Ele nasceu na Basiléia em 1875 em uma família um tanto quanto peculiar, com um pai erudito e estudioso e pastor protestante e uma mãe simples, rígida, com família de tradições espiritualistas. Desde jovem, o sonho de Carl era ser arqueólogo, mas a faculdade de arqueologia nessa época era muito cara e proibitiva também pela distância, então ele e sua família resolveram que seria melhor ele estudar medicina.

Ele fez a faculdade, terminou seu curso se interessando bastante pela área da psiquiatria e em 1900 foi trabalhar com o psiquiatra Eugen Bleuler no hospital de Burghölzli, da Universidade de Zurich. Nessa época ele teve seus primeiros contatos com pacientes psicóticos e também com a teoria da psicanálise de Freud.

Talvez este seja o ponto de maior importância na história de Jung e da psicologia analítica: seu encontro com Freud. Enquanto Jung trabalhava com Bleuler, ele realizava testes de associação de palavras com pacientes e voluntários, com o objetivo de tentar encontrar alguma base de comparação de consciência com os pacientes. Porém, ele achou mais interessante as exceções do teste do que seus padrões propriamente ditos.

Baseado nesses resultados, ele desenvolveu uma teoria preliminar da repressão de elementos conscientes que em parte se tornariam inconscientes. Seu mentor Bleuler sugeriu que ele lesse os trabalhos de Freud que, entre outras coisas, versavam também sobre repressão e inconsciente.

No próximo post veremos como se deu a relação de Jung com a psicanálise de Freud.

Comments (5)

  1. […] também:Uma introdução à psicologia junguianaHollywood não se cansa do Mito do […]

  2. […] Jung em si nunca teve a intenção de criar uma “escola de psicologia” – como a psicanálise – e sempre encorajou seus alunos a encontrarem seus próprios caminhos e vocações. Em um evento, diz uma anedota, que ele comentou a sua amiga e aluna Marie-Louise von Franz sobre uma palestra de um colega psicólogo sobre psicologia analítica: “Ainda bem que não sou junguiano”. Mesmo assim, hoje em dia estudamos sua obra e utilizamos seu trabalho como guia através de nossas jornadas pelo inconsciente e na descoberta de nós mesmos. […]

  3. […] Não contentando em falar só sobre isso, falamos também sobre alguns conceitos de psicologia junguiana, como o “Self” e a “individuação”. E terminamos nossa conversa falando um […]

  4. Vitor Hugo

    Jogo do 1 erro: “Ele nasceu na Basiléia em 1975…”

    Para não ficar parecendo chato, te parabenizo por este blog, muito bom… a única coisa que acho ruim é não sair muitos podcasts e a demora entre um post e outro, mas de resto, muito bom o material aq…

    Uma pergunta parou de responder no formspring?? Fiz umas perguntas e até hj nada… =

  5. Miguel

    Não esta certo jung já havia falecido em 1975.

Deixe um comentário