Nosso inimigo, o Ego


Pode parecer estranho um título desses, principalmente depois de haver escrito que a sombra é a nossa amiga. E pode parecer mais estranho ainda quem tem uma noção de “psicologia do ego”, achando que essa é a estrutura mais importante da consciência e se perguntando como é que nossa identidade pode ser nossa inimiga. Seriamos nós inimigos de nós mesmos?

Já dizia Thomas Hobbes que “o homem é o lobo do homem”. É claro que aqui ele estava olhando não de um ponto de vista psicológico, mas sim social, falando sobre a ferocidade que um ser humano é capaz de manifestar a outro, nas agressões, assaltos, assassinatos, ataques de raiva, xingamentos, etc. Mas se podemos fazer isso com os outros, o que não seriamos capazes de fazer contra nós mesmos, certo?

O Ego, para quem não sabe, é a estrutura da mente que reúne nosso senso de identidade, realidade e personalidade. Dentro da teoria freudiana, o Ego é uma de três estruturas básicas da mente e divide espaço com o  Id e o Superego. Dessas três estruturas, somente o Ego aparece em outras teorias. O Id e o Superego são exclusivas da psicanálise.

O Ego é uma parte de toda a personalidadeJung reconhece o Ego como sendo um complexo – uma reunião de ideias e afetos em torno de um núcleo temático comum – o complexo da identidade de eu ou simplesmente o Complexo de Eu. Complexos dentro da teoria junguiana não são necessariamente ruins. Eles são as estruturas básicas da psique. E o Ego é o nome dado ao complexo central da consciência, que reune tudo o que sabemos de nós mesmos. Enquanto a Sombra reúne o que identificamos como sendo “não-eu”, o Ego reúne todas as ideias, afetos e imagens relacionadas ao “Eu”.

Memórias de infância, nossa imagem corporal, nossos projetos, sonhos e desejos, nossos pontos fortes e fracos, nossos gostos pessoais e todo o mais que identificamos como nosso, ou melhor, como sendo “eu”, forma o nosso Ego. Mas como é que isso pode ser o nosso inimigo, se o Ego é quem nós somos?

Um ego inflado não percebe sua real aparênciaAcontece que no Ego reunimos também nossos valores principais e nossa auto-imagem. E geralmente esses dois pontos são tão centrais e fundamentais que raramente são observados ou alterados. Posso dizer que a grande maioria dos problemas do dia-a-dia se dá por uma má sintonia entre essas questões e a realidade. Geralmente acreditamos em algo com tanta força que isso nos impede de ver outras além – e que muitas vezes são até melhores. Ou ainda nos vemos de tal forma que isso nos impede de seguir por outros caminhos. Vou dar alguns exemplos:

Uma pessoa orgulhosa é vista como sendo forte diante dos outros. O orgulho é uma auto-admiração e em termos psicológicos, é um caminho de retro-alimentação da energia do Ego. Quanto mais orgulho, maior é a força do Ego. Mas uma pessoa orgulhosa acaba não vendo seus próprios erros ou não admitindo novas possibilidades ou qualquer coisa que venha de fora ou que ameace a integridade do Ego. A pessoa assim se fecha em seu próprio erro, em sua própria teimosia e, ao não admitir coisas externas, entrea em um ciclo que pode levar a algo bem negativo.

Uma pessoa com uma auto-imagem forte vai ver suas características como qualidades e pode demorar muito para perceber que uma dessas características o está levando a um mal caminho ou está prejudicando outra pessoa. Alguém que se ache melhor que as outras, mais bonita ou esperta, não vai perceber quando essa forte auto-imagem estiver maltratando alguém ou machucando através de palavras ou omissões.

Além disso, quando algo acontece e esse orgulho ou auto-imagem se quebram, a queda é grande. E aí surgem novas dificuldades e problemas. Quando uma pessoa que acredita fortemente que o seu jeito de viver é o correto de repente percebe que ela está errada, ela custa a admitir que ela viveu sua vida toda como uma mentira. Ela sofre, justamente porque não quer se desfazer da imagem construída por seu Ego. E é aí que nós nos tornamos nossos maiores inimigos.Podemos ser o nosso pior inimigo

Uma psicologia centrada no Ego e que esquece os outros complexos como sendo importantes acaba por não perceber que o próprio Ego precisa abrir mão de sua força e o sujeito precisa também saber trabalhar com seus outros complexos. Sua sombra pode ser sua aliada, mostrando coisas que o Ego não conhecida ou não queria saber mas que podem ser de vital ajuda.

"Meu Ego estava prejudicando minhas abilidades de liderança, então eu dei um jeito nele..."

"Meu Ego estava prejudicando minhas abilidades de liderança, então eu dei um jeito nele..."

A humildade é uma característica de descontrução do Ego. Uma pessoa humilde é aquela que conseguiu tirar grande parte de sua energia desse complexo, permitindo que outras coisas possam vir à tona. Um lider humilde, por exemplo, é aquele que, por mais que saiba que ele é bom no que faz, fazer tudo baseado em si-mesmo nem sempre é a melhor solução. É necessário ter humildade para reconhecer os nossos limites antes que isso se torne um problema.

Tudo na vida precisa ser flexível, principalmente o nosso Ego, nosso senso de identidade. Não podemos acreditar que nunca mudamos, pois sempre somos pessoas diferentes. Como disse o velho sábio Heráclito uma vez, “nunca atravessamos o mesmo rio duas vezes”, pois da segunda vez tanto o rio quanto nós mesmos já não somos mais os mesmos. Se soubermos aprender com isso, quem sabe o nosso Ego pode deixar de ser o nosso maior inimigo e se tornar nosso aliado.

Comments (5)

  1. Edmundo António Barreiras Ricardo

    Como podemos ser egoístas num universo tão belo,tão imenso,tão vasto,tão
    infinito?Que ego poderemos ter?O nosso ego pode ser apenas uma bolha de
    sabão.Talvez dure alguns segundos,elevando-se no ar.Talvez,durante alguns
    segundos,reflicta o arco-íris mas apenas por alguns segundos.
    Nesta existêcia infinita e eterna,os nossos egos rebentam a cada momento..

  2. […] para a construção de um complexo pessoal da identidade, da individualidade e da unicidade: o Ego. Enquanto isso, a Anima serve como referência para a construção de um complexo da relaçao, da […]

  3. rebeca

    Pode me explicar o que provoca no leitor uma imagem trabalhada para mostrar a humildade da personagem ?

  4. Djair Nakamae

    Excelente trabalho, claro, objetivo, conciso. Foi de grande valor para mim. Parabéns e obrigada!

Deixe um comentário