O Caminho dos Heróis e o Trabalho em Equipe


Já conhecem a história de Jasão e os Argonautas?Todos já ouviram falar do grande herói mítico Hércules, mas poucos sabem que ele já fez parte de uma grande equipe de heróis míticos chamada Os Argonautas, porque eles navegavam no grande navio Argo. Seu líder era Jasão, que estava em uma missão para recuperar o trono que fora usurpado por seu tio Pélias. Jasão contava com a ajuda de vários heróis além de Hércules, cada um com sua habilidade que o destacava dos demais. Hércules, é claro, trazia sua enorme força. Orfeu tinha um dom incrível de cantar e graças a ele, que cantou mais bonito que as sereias, ele sobreviveram. Jasão também encontrou no caminho a feiticeira Medéia que o ajudou com sua magia.

A mensagem que a história de Jasão e os Argonautas deixa para nós é que uma equipe pode se beneficiar com os talentos individuais de cada integrante, ao invés de procurar uma equipe uniforme. Se cada um desses talentos for valorizado, no momento apropriado cada um poderá contribuir da melhor forma possível.

Os três mosqueteiros, que na verdade eram quatro...E isso é verdade para todas as grandes e pequenas equipes de sucesso, tanto da vida real como da literatura. Já ouviram falar dos Três Mosqueteiros, de Alexandre Dumas? Esse livro conta a história do jovem D’Artagnan que tinha como sonho ser um mosqueteiro, ou seja, ser da guarda particular do rei da França. Porém, quando ele parte para Paris, ele perde a carta de recomendação para entrar na guarda do rei. Ele consegue ser um mosqueteiro de outra ordem menor e graças à amizade com os três mosqueteiros Athos, Porthos e Aramis, ele finalmente consegue promoção para a guarda real e se tornar o maior dos mosqueteiros.

Nessa pequena equipe, cada mosqueteiro tem a sua característica marcante, por exemplo, Aramis é extremamente pio e religioso, enquanto Porthos é forte e fanfarrão. Já Athos parece ser imune a investidas amorosas, sendo mais sério e racional. Durante a aventura, descobrimos que essas características são essenciais para o sucesso da equipe.

Se todos esses heróis fossem iguais, não tivessem individualidade, eles seriam completamente descartáveis qualquer um poderia fazer o que eles faziam. Mas era justamente essa individualidade de cada um que permitiu que todos vencessem ao final, fossem eles mosqueteiros ou argonautas. Na literatura, cada herói possui o seu caminho, mas quando ele está em equipe, é sua individualidade que irá contar para o sucesso de todos. E na vida real, quando isso acontece, de fato o lema dos mosqueteiros entra em ação, pois é “um por todos e todos por um”.

Para ouvirem um excelente complemento a essa imagem, recomendo ouvirem o episódio #60 – A União faz a Força, do podcast Papo Lendário, onde discutimos bastante essa ideia e como esse conceito está presente em várias equipes das séries de televisão.

Deixe um comentário