Grupo de Estudos Virtual – a Psicologia do Inconsciente


Carl JungFaz algum tempo iniciei uma prática que há muito queria voltar a fazer: grupos de estudo com meus alunos. Iniciei a estudar assim na época da graduação em psicologia, quando reunia colegas interessados em estudar Psicologia Analítica e liamos juntos alguns textos. Na mesma época, estudava fora da faculdade em cursos direcionados por psicólogos junguianos. Foi nesses estudos que descobri o livro Psicologia do Inconsciente de Carl Jung.

A princípio, esse livro pareceu-me bastante completo, com conceitos pontuais e explicações bastante práticas sobre várias questões referentes à teoria junguiana. Acabei até utilizando várias de suas citações no corpo do meu TCC sobre o feminino sombrio. Mas o melhor desse livro não era nem a facilidade de compreensão de seu texto, mas sim algo que fui descobrir depois de algum tempo de estudar esse texto: ele ilustra claramente a forma de pensamento desse psicólogo suíço. E isso, talvez seja o mais importante a se estudar.

Psicologia do Inconsciente de Carl JungSim, a forma de pensamento é mais importante do que os conceitos e teorias. Se você quer estudar os conceitos, existem vários bons livros sobre eles. Recomendo fortemente o livro A Busca do Símbolo de Edward Whitmont, que traz muito claro as explicações sobre os principais conceitos junguianos. Esse livro, inclusive, eu utilizei nos grupos que organizava durante a graduação. Outro livro é o próprio O Homem e Seus Símbolos, organizado pelo próprio Jung, que traz excelentes capítulos teóricos sobre a psicologia analítica. Mas todos eles carecem do mesmo problema: eles não conseguem demonstrar como era o pensamento junguiano, como ele pensava e quais eram os seus caminhos de interpretação.

O Psicologia do Inconsciente faz isso. Cada capítulo mostra um pouco de um problema maior que ele quer discutir, que é como estudar uma psicologia focada no conceito de “inconsciente” que, por definição, não é conhecido? Ele começa discutindo o papel da “Psicanálise”, como uma das mais populares formas de se estudar o inconsciente. Depois, ele foca no conceito central dessa perspectiva, “A Teoria de Eros”. Em seguida, ele demonstra uma visão oposta àquela, um “Outro ponto de vista: a vontade de poder”. Finalmente, ele conclui essa análise inicial dos estudos sobre o inconsciente mostrando a sua teoria pessoa sobre isso, falando sobre “o problema dos tipos de atitude”.

Esses quatro primeiros capítulos ilustram muito bem a forma como Jung pensa. Ele inicia sempre com um problema, algo que ainda não sabemos ou que não faz muito sentido. Depois ele mostra como a comunidade acadêmica e/ou o senso comum tratam da questão. Ao mesmo tempo, ele apresenta uma visão contrária aquela estudada, forçando-nos a pensar diferente. Isso nos leva a uma posição clara de que possivelmente ambas as explicações contrárias ­­­– e muitas vezes contraditórias e paradoxais ­­­– podem ter razão ou fazer sentido se vistas separadamente. E, concluíndo seu pensamento, Jung mostra a perspectiva psicológica a respeito dessa posição. Aqui, no caso, ele fala dos tipos de atitude.

Ele não conclui nada pela perspectiva social ou material: ele sempre retorna ao sujeito, à psique. De certa forma, o problema inicial era também subjetivo, psíquico. E esse retorno ao problema, mas agora com uma visão mais ampliada, é característico do pensamento junguiano. E isso é possível perceber quando estudamos o livro em questão. E, para mim, é esse retorno ao psicológico a postura principal que devemos ter ao se estudar não só a obra de Carl Jung, como também toda a psicologia científica.

Voltando agora ao meu ponto inicial ­­­­­­­­­– sim, às vezes acabo pensando circularmente, um pouco como Jung também ­­­– retomei a prática dos grupos de estudo, mas desta vez, de forma virtual, utilizando a ferramenta do Google Hangout. A cada quinze dias (ou um pouco mais, dependendo dos calendários dos participantes) encontro-me com uma aluna para discutirmos suas dúvidas sobre o livro e aprofundarmos o estudo. São encontros de aproximadamente uma hora a uma hora e meia. Até o momento, temos nove encontros, todos registrados para que todos possam ver e ouvir no Youtube.

A playlist acima será sempre atualizada com todos os encontros, então quem chegar aqui depois poderá assitir por ali ou pelo Youtube. E, para quem quiser acompanhar ao vivo, nossos encontros costumam ser às quartas-feiras à noite. Já estamos concluíndo o livro, mas nada impede de eu realizar a mesma dinâmica depois com outras pessoas, pois as discussões e dúvidas são sempre diferentes. O nosso próximo encontro será no dia 19 de agosto de 2015 às 21h30 e poderá ser visto clicando aqui, ou então diretamente no player abaixo (quem chegar aqui depois do dia 19, verá a gravação do encontro apenas):

E, quem quiser acompanhar esses grupos, eu organizo eventos do Hangout via Google Plus. Basta participar do evento, clicando aqui, que em todos os demais encontros você será convidado também! Mas, se você chegou muito depois do evento, então procure pelos links dos próximos encontros e seja bem-vindo aos estudos de psicologia analítica comigo! E em breve, assim que conseguir me organizar melhor, transformarei todos esses encontros em episódios do meu podcast, o PsicoLog, para que todos possam acompanhar tranquilamente através do feed.

Comments (2)

  1. geneide barros gomes

    muito bom o grupo de estudo, estou inociando o livro agora, mas faz muito sentido.

  2. Talita

    excelente mesmo!!!!

Deixe um comentário