Archives for : amor

A Menina e os Sapos, ou O que os olhos não veem, o coração sente.

Era uma vez uma menina...Era uma vez uma menina. Todos diziam que ela precisava encontrar seu príncipe encantado. Ela então leu que alguns sapos, quando beijados, tornam-se príncipes encantados. Ela então resolveu procurar esses sapos.

Mas ao se aproximar dos batráquios, ela começou a observá-los, pois queria saber a melhor forma de convencer a um deles a se transformar em seu príncipe. Ela ficou durante um bom tempo à distância, só observando. E quanto mais observava, mais gostava dos sapos. Gostava tanto que não queria que eles se transformassem em príncipes. A menina queria que os sapos fossem o que são: sapos.

Continue Reading >>

O que realmente está por trás da “Cura Gay”…

Continue Reading >>

Um pequeno paraíso…

Estava ontem conversando com uma amiga sobre o amor… e me vieram muitas idéias, muitas coisas, várias experiências, mas somente uma certeza: amor é uma escolha.

Somos todos livres para amar e podemos amar quem quisermos. Amor não é atração. Posso amar uma criança, um velho, meus pais, meus irmãos, um amigo ou amiga, sem me sentir atraído por eles. Mas eu os amo porque escolhi amá-los… Amor é doação, é entrega e abandono de si pelo outro. Essa escolha eu faço pelo outro e não por mim.

Não existe essa estória de amor condicional e incondicional. Amor é amor e ponto. Dele, não se fala, somente se vive… Dizer que amo de formas diferentes, que amei de um jeito e agora amo de outro é falar de algo sobre o qual não se tem nada a falar… Quando amo, amo e ponto. Quando escolho amar é porque (ou para que) aceitei me responsabilizar por essa pessoa, aceitei viver junto com essa pessoa, não importa onde ela esteja… A distância não influencia no amor, nem o tempo, pois o amor está além do tempo e do espaço. Nossas escolhas são nossas, e que elas também sejam escolhas da humanidade toda.

Amo sim. “Amor, verbo intransitivo”, já ouvi isso antes. Amo e ponto, sem objeto e sem sujeito, pois o amor dissolve essas barreiras. Quem ama pertence a uma relação de troca, uma relação que transcende limites. Quem ama, ama e ponto. Amor não dito, que é vivido, torna-se quem ama. Quem ama, quando vive, torna-se amor.

E é justamente por isso que quando amamos precisamos escolher amar. Amar é viver e viver é uma eterna escolha. Quando escolhemos somos responsáveis por essa escolha, e quando amamos, nos tornamos eternamente responsáveis por aqueles que cativamos…

Texto original publicado em 05/07/07