Archives for : consciência

Day of the Doctor: As Viagens do Tempo na Mente

Salvem o dia! Dia 23 foi o Day of the Doctor!O último dia 23 de novembro foi o Day of the Doctor, o Dia do Doctor Who. Nesse dia, além da comemoração de 50 anos do seriado de ficção científica mais longo da história, passou no mundo todo e visto por milhões de espectadores na televisão e nos cinemas um episódio especial com a participação de vários dos personagens mais queridos da série.

Nesse mesmo dia, aqui em Curitiba, o grupo de fãs de Doctor Who fez um evento nas Livrarias Cultura do Shopping Curitiba um evento em comemoração ao Day of the Doctor, com palestras, debates e concursos de cosplay. Eu fui um dos palestrantes, com uma palestra muito bem frequentada entitulada As Viagens do Tempo na Mente: Os paradoxos temporais e as implicações para os viajantes. Minha motivação nessa palestra é mostrar um outro ponto de vista – mais psicológico – sobre as viagens no tempo.

Basicamente eu mostrei como o conceitos de Paradoxo Temporal – muito utilizado nas histórias de viagens temporais – acaba sendo carregado de conceitos mentais e subjetivos, mais do que impossibilidades físicas e objetivas. Concluo, com exemplos do Doctor Who, como os problemas de paradoxos de viagens no tempo – diante de todas as hipóteses e teorias – tem mais a ver com a nossa compreensão consciente de tempo e realidade do que com as limitações físicas do universo.

É claro que as viagens temporais físicas serão limitadas pela nossa tecnologia e ciência materiais. Mas, sempre quando nos lembramos de uma experiência antiga, ou quando fazemos projetos para nossa vida, estamos de certa forma viajando no tempo, na nossa memória do passado e no nosso planejamento do futuro! E é sobre essa experiência que falamos quando lemos e experienciamos na ficção as viagens temporais. Os paradoxos são simplesmente os problemas de compreensão das alterações ou de revisitações desses espaços que são – de certa forma – pontos fixos no tempo (para utilizar uma expressão da série inglesa).

Para quem não conhece a série e gosta de ficção científica, recomendo fortemente que assista. Na verdade, nem precisa gostar de ficção científica! A série teve sua estréia na Inglaterra em 1963 e já passou por várias reformulações e até um filme em 1996. Quem quer começar a assistir agora, recomendo pegar o reboot de 2005. E se achar esse começo chato, recomento tentar passar pelos primeiros episódios, até a série realmente engrenar. Depois, fica viciante!

E, para aqueles que não puderam ver minha palestra, ou para aqueles que assistiram mas querem pegar as referências, deixo aqui minha apresentação feita no Prezi.

E para quem conhece inglês, vale a pena assistir a esta animação, para ter um gostinho do que é Doctor Who:

O espaço do Empreendedorismo em recrutamento e seleção

As grandes empresas em sua maioria colocam no perfil do funcionário no recrutamento que ele precisa ser empreendedor. Hoje em dia o mercado praticamente exige isso dos funcionários das grandes empresas, mas nas micro e pequenas empresas parece que isso é quase que exclusividade do empresário, isso quando ele entende sobre empreendedorismo.

Então, parece existir uma espécie de seleção natural com as empresas e os funcionários, onde aqueles que são empreendedores se encaminham para as médias e grandes empresas e aqueles que não são empreendedores são selecionados pelas micro e pequenas empresas. Mas isso é arriscado para as últimas, justamente porque funcionários não empreendedores não oferecem vantagens competitivas no mercado de trabalho para suas empresas. Uma micro ou pequena empresa então que não seleciona pessoas com tal potencial corre o risco que não crescer frente a seus concorrentes e diante de seus clientes. E uma empresa que não consegue crescer no mercado, ou ela fica estagnada ou corre o risco de fechar as portas e perder para concorrentes mais competitivos.

Quando se é empreendedor, não se deve temer a concorrência, pois ela acaba fortalecendo o trabalho. Por isso é importante para uma empresa de pequeno porte ser empreendedora, não só seu empresário, mas também e principalmente seus funcionários.

Um funcionário empreendedor tem autonomia, ou seja, ele deve ser capaz de tomar as melhores decisões sozinho. Isso dá rapidez aos processos e serviços prestados, principalmente na hora do tratamento com o cliente. Para que essa autonomia possa acontecer, é preciso que esse funcionário tenha consciência de seu trabalho, ou seja, ele precisa entender a importância do trabalho e da função que ele está exercendo e não só disso, mas consciência também do papel da empresa diante da sociedade como um todo. Essa consciência traz mais liberdade de ação e de escolha para o funcionário, fazendo com que ele possa ser mais responsável por suas ações dentro da empresa. Isso alivia muito o peso da responsabilidade e das decisões para o empresário, podendo então existir relações de compartilhamento de responsabilidades e de troca de conhecimento.

Essa postura do funcionário empreendedor é diferente da postura do funcionário empregado, que doa seu trabalho em troca de um salário ou remuneração. Um empregado não é responsável por suas ações e simplesmente emprega seu trabalho para a execução de tarefas muitas vezes banais. Já um funcionário empreendedor é capaz de resolver os problemas operacionais quando eles acontecem sem a necessidade de recorrer sempre a um superior para saber o que fazer.

Porém, não adianta exigir na seleção que os candidatos sejam empreendedores e tenham autonomia se a empresa não oferecer o espaço para tal atuação. Um empresário que tem visão estratégica, que é empreendedor e que que sua empresa possa crescer, deve saber que ter em sua empresa funcionários empreendedores significa mudanças na dinâmica da gestão com pessoas, já que elas serão diferentes, terão posturas e desejos diferentes daquelas da administrão típica de recursos humanos. Esses funcionários não serão mais recursos a serem utilizados pela empresa, mas sim pessoas que ajudarão a empresa a crescer enquanto elas mesmas podem crescer.