Archives for : Psicologia

Um olhar psicológico sobre as micro e pequenas empresas

Atualmente, mais de 70% das empresas formalmente registradas são micro ou pequenas empresas e mais de 50% dos empregos formais estão nas micro e pequenas empresas. Mas mesmo assim, existe muito pouco material de trabalho sobre elas, principalmente no que se refere ao trabalho psicológico sobre as micro e pequenas empresas.

Quando se pensa em psicologia aplicada ao trabalho empresarial, pensa-se logo em Recursos Humanos ou Gestão de Pessoas, modelos que incluem atividades como recrutamento, seleção, contratação, treinamento, plano de carreira, avaliação de desempenho, demissão, gestão de conflitos e desenvolvimento pessoal e organizacional. Geralmente essas atividades são desenvolvidas por um setor específico de uma empresa, geralmente coordenado por um psicólogo especializado na área. E todas essas atividades e funções são muito bem trabalhadas e desenvolvidas para grandes empresas. Qualquer manual de recursos humanos ou gestão de pessoas terá exemplos e casos de grandes multi-nacionais. Mas esses mesmos exemplos e modelos ficam desproporcionais quando aplicados a micro e pequenas empresas.

Uma empresa de pequeno porte pode ter de dois a quarenta e nove funcionários, incluindo os sócios (mais funcionários para indústrias e construção). A maioria desses funcionarios estão ocupados com serviços operacionais e de produção e um micro ou pequeno empresário provavelmente só terá porte para administrar e manter esses funcionários. Mas sabemos que se há alguma pessoa em algum lugar, há ali problemas potenciais.

As pessoas se cansam, se frustram, se distraem, se preocupam e acabam não fazendo exatamente o que o protocolo do serviço manda. Existem várias formas de controle desse trabalho, como o salário ou outros benefícios, porém só isso não é suficiente. Idealmente, para que se possa ter um bom trabalho é preciso antes ter um bom ambiente de trabalho. E esse ambiente é muito mais do que somente o espaço físico: ele inclui principalmente as pessoas e as relações pessoais.

Ao mesmo tempo, numa empresa de pequeno porte, quem vai se preocupar com as questões relacionadas aos modelos de recurosos humanos e gestão de pessoas são os sócios ou donos da empresa, os empresários, pois eles muitas vezes não têm condições de contratar alguém especializado em tempo integral, até mesmo porque muitos desses trabalhos são esporádicos e não requerem que um especialista seja contratado permanentemente.

A solução encontrada por esses especialistas foi a de abrir consultorias e acessorias em RH especializadas na prestação e terceirização de serviços para essas empresas. Isso resolve o problema do empresário quando ele precisa capacitar um grupo de empregrados recém contratados. E no resto do tempo cabe ao empresário cuidar das rotinas e dos eventuais problemas pessoais que possam surgir.

Mas será que esse empresário está preparado para o mar de questões que as pessoas trazem para o trabalho da empresa? Seria ótimo se o trabalho se resumisse unicamente numa rotina de produção ou prestação de serviços. Porém, o trabalho é muito mais e dificilmente alguém que está preocupado com fornecedores, gerencias, lojas, espaços físicos, contas, pagamentos, entradas, funcionários, finanças, propagandas e outras rotinas administrativas vai ter tempo de ouvir cada um de seus funcionários. E uma empresa de pequeno porte dificilmente terá condições de contratar um especialista para cuidar somente disso.

Existem várias questões que micro e pequenas empresas apresentam que muitas vezes não são levadas em consideração, principalmente porque os principais modelos de gestão de pessoas são das grandes empresas. Mas essas grandes empresas se baseiam num sistema que consegue dar conta dos modelos e das individualidades das pessoas. Numa empresa de pequeno porte isso fica mais complicado já que as personalidades das pessoas envolvidas – sócios, funcionários, clientes ou até mesmo distribuidores – é muito mais visível.

É por isso e por outros motivos que é necessário e de extrema importância que haja um olhar psicológico sobre as micro e pequenas empresas. Esse olhar não vai ser só sobre o sistema de gestão e as rotinas de RH, mas vai ser principalmente sobre as pessoas que constituem essas organizações.